sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Questões de oportunidade


Duas garotas a muito tempo amigas, se encontravam sentadas no sofá conversando sobre os últimos acontecimentos na cidade.
- Helena - disse a da esquerda, de cabelos pretos e olhos castanhos - eu pensei que eles fossem um casal perfeito.
- Como as aparências enganam, não? Eu também pensei que ela nunca sequer pensaria em trai-lo.
Margarida, como se chamava a menina de cabelos pretos, fitou Helena com curiosidade e perguntou:
- Você teria coragem de trair o Luan? Helena riu, entortando o pescoço pra trás, seus cabelos cacheados foram pra frente e pra trás quando ela voltou a sua posição normal.
- Eu nunca faria uma coisa dessas - disse com veemência - se não sabe ser fiel porque namoram? Se for pra namorar tem que ter respeito um com o outro. A fidelidade é nada mais que respeito, e eu tenho isso de sobra . E tenho sorte de namorar um quase santo. Pra mim trair é uma questão de falta de respeito.O que você acha?
- Eu acho que trair é uma questão de sentimento.
Margarida admirou a amiga por pensar daquela forma, pois, ela mesma já tivera muitos namorados e traíra vários deles.
Dois dias depois quando Helena saia de seu apartamento bateu a canela em uma caixa que fora deixada no chão. A porta do apartamento da frente se abriu quando Helena gritou.
- Ah! me desculpe querida - disse a velhinha da porta da frente - Eu não devia ter deixado essas coisas na frente da sua porta, mas, o corredor é tão apertado.
- Tudo bem, não foi nada.
Helena ajudou a velhinha a colocar as caixas mais pra perto da sua própria porta, isso mesmo caixas. Mas Helena nem sequer se deu ao trabalho de pensar nas caixas na porta da casa da velhinha. Ela pensava em Luan, seu namorado, que de um dia para o outro subitamente foi promovido do cargo de melhor amigo para namorado.
No outro dia, quando Helena saia de seu apartamento não tombou em nenhuma caixa, mas, ao mesmo tempo em que fechava sua porta a porta da frente se abriu e nada de velhinha. Quem saiu pela porta foi um garoto. Helena deixou seu olhar se recair sobre ele alguns segundos a mais do que o necessário. Mas logo se lembrou de que tinha um namorado e que aquele garoto fortão só podia ser um daqueles ratos de academia, grosseirões e idiotas.
Foi seguindo pelo corredor ouvindo os passos do garoto atrás de si, e se perguntando o que ele estaria fazendo no apartamento da velhinha. Sentiu a chave escorregar entre seus dedos quando ia coloca-la na bolsa.
Antes que pudesse pegá-la o garoto a pegou.
- Oi - disse ele rindo, e entregando as chaves na mão de Helena - sou seu novo vizinho.
De perto ele era ainda mais bonito do que de longe, quase duas cabeças maior que Helena e ela teve que se inclinar toda pra conseguir enxergar os olhos dele.
- Hãã.. - conseguiu dizer.
Pegaram o elevador juntos, e conversaram. Ian era um cara incrível, inteligente, simpático, bonito. E tudo o mais.
Quando saiu do elevador Helena partiu direto para o trabalho esquecendo completamente de Ian enquanto trabalhava. Só mais tarde quando voltava pro prédio cheia de compras foi que o encontrou. Mais uma vez os dois entraram juntos no elevador, só que desta vez quando a porta do elevador finalmente se fechou houve um solavanco derrubando todas as compras de Helena no chão e após isto mais nada, nenhum movimento, nem de sobe, nem de desce. Nada. O elevador havia emperrado.
- Bem acho que vamos ficar aqui por um longo tempo - disse Ian.
Helena engoliu em seco, e seu ultimo pensamento foi ' trair talvez seja apenas uma questão de oportunidade'.

3 comentários:

David Henrik disse...

HAUHUHASUh gostei lis

ϟ letíciα Θ2: disse...

RQWERIQOWEURQWEOIRUQOWE, fera *-*

Vanessa Santos disse...

ou de fraqueza!

adorei seu blog!E seguindo!

http://mardeletras2010.blogspot.com/